Gabinete de Intervenção Sistémica – (GIS)

O GIS é um serviço de extensão comunitária, integrado no Instituto Superior Miguel Torga (ISMT), que se destina à intervenção clínica, formação e investigação com base no modelo sistémico – indivíduos (crianças, adolescentes, adultos), famílias, casais, grupos e redes sociais. Neste são desenvolvidas as seguintes atividades clínicas: terapia individual sistémica, familiar, multifamiliar e de casal; desenvolvimento de competências parentais; terapia do divórcio e mediação familiar; avaliação e peritagens para o Tribunal; bem como, intervenção em rede e comunitária.

Equipa

Coordenação:

Professora Doutora Joana Sequeira, Professora Auxiliar do Instituto Superior
Miguel Torga. Psicóloga Clínica, Membro efetivo da OPP. Docente Supervisora da Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar.

Colaboradores Internos:

Professora Doutora Dulce Simões, Professora Auxiliar (Equiparada) do Instituto Superior Miguel Torga. Assistente Social. Interventora Familiar e Sistémica.

Professora Doutora Inês Pimentel, Professora Auxiliar Convidada do Instituto Superior Miguel Torga. Psicóloga Clínica, Membro Efetivo da OPP. Interventora Familiar e Sistémica.

Professora Doutora Sónia Guadalupe, Professora Auxiliar do Instituto Superior Miguel Torga. Assistente Social. Interventora Familiar e Sistémica.

Mestre Joana Carvalho, Assistente Convidada do Instituto Superior Miguel Torga. Psicóloga Clínica, Membro Efetivo da OPP. Interventora Familiar e Sistémica. Psicodramatista. Interventora Psicológica em Situações de Catástrofe. Atualmente, frequenta o curso de Doutoramento Interuniversitário em Psicologia da Família da Universidade de Lisboa e de Coimbra.

Colaboradores Externos:

Professora Doutora Conceição Ferreira, Psicóloga Clínica, Membro Efetivo da OPP. A terminar a formação em Intervenção Familiar e Sistémica.

Professora Doutora Marta Pimentel, Psicóloga Clínica, Membro Efetivo da OPP. Interventora Familiar e Sistémica.

Mestre Vanessa Roque, Psicóloga Clínica com especialização em Psicologia Sistémica, Saúde e Família, Membro Efetivo da OPP.

Mestre Marta Costa, Psicóloga Clínica com especialização em Terapias Familiares e Sistémicas, Membro Efetivo da OPP.

Dr.ª Cristina Correia, Psicóloga Clínica com pré-especialização Sistémica e Dinâmica (Pré-Bolonha), Membro Efetivo da OPP. A terminar a formação em Intervenção Familiar e Sistémica.

Dr.ª Anabela Dias, Assistente Social. Pós-Graduada em Família e Sistemas Sociais.

Estagiária Ordem dos Psicólogos Portugueses:

Mestre Mariana Couceiro, Assistente Convidada do Instituto Superior Miguel Torga. Psicóloga Clínica com especialização em Terapias Familiares e Sistémicas, Membro Estagiário da OPP.

Atividades Clínicas

Pedido de Consulta:

Quando o pedido de consulta é direcionado para o GIS, é realizado um atendimento telefónico com vista ao preenchimento de uma “ficha de pedido” que constitui o primeiro contacto com a família e com o problema e que permite avaliar a indicação terapêutica mais ajustada e planeamento de uma primeira sessão. Após a avaliação do pedido é remetida a informação por via telefónica e/ou postal da data da primeira consulta.

Terapia Familiar:

A Terapia Familiar é uma terapia com a família. Deve desenvolver-se sempre que a família considere que as suas dificuldades ou de um dos seus elementos interfiram na dinâmica entre as pessoas que vivem juntas ou quando o envolvimento da família é relevante na resolução das dificuldades em causa. Esta intervenção terapêutica tem por objetivos reduzir o estado de disfunção da família, mudar as relações estabelecidas entre os elementos que mantêm as dificuldades, transformar a visão familiar sobre as dificuldades, ampliar as potencialidades da família na resolução de problemas e nas situações de crise, promovendo mudanças a longo prazo. Processa-se através de encontros regulares de um ou dois terapeutas (co-terapia – modelo de cooperação), com uma frequência quinzenal a mensal. O processo terapêutico termina quando os objetivos definidos são alcançados.

Indicações para a Terapia Familiar:

Situações em que a família esgotou a sua capacidade de resolver novas situações;

Quando um problema grave num dos elementos da família gera interações familiares desadaptadas;

Existam conflitos familiares onde está presente o desejo de continuidade da família;

Dificuldades de comunicação;

Dificuldades relacionais;

Problemas na educação e parentalidade (e.g. definição de regras, gestão de tarefas, rotinas familiares, etc.).

Terapia de Casal:

A Terapia de Casal é uma intervenção dirigida ao “Nós” do casal, à relação. De salientar, que a terapia deverá implicar obrigatoriamente a motivação e envolvimento dos elementos para a intervenção. O objetivo elementar da Terapia de Casal é trabalhar as dificuldades que se vivem na conjugalidade, permitindo a sua expressão com uma maior liberdade do que aquela que é permitida pelo conflito conjugal.

Indicações para a terapia de casal:

Dificuldades relacionais;

Desajustamento emocional entre os elementos;

Falta de comprometimento;

Problemas comunicacionais;

Dificuldades na resolução de problemas;

Ciúmes;

Envolvimentos extraconjugais;

Dificuldades sexuais;

Violência;

Instabilidade conjugal.

Terapia Individual Sistémica:

A Terapia Individual Sistémica tem como objetivo a mudança na pessoa, na relação desta com os outros e no contexto dos sistemas familiares nucleares e parentais (alargado). Implica a compreensão do seu papel na família, a compreensão dos padrões de funcionamento familiar e o ajustamento entre comportamentos, interações e narrativas familiares. A metodologia de funcionamento desta intervenção processa-se através de encontros regulares de um ou dois terapeutas (co-terapia – modelo de cooperação), com uma frequência quinzenal.

Terapia do divórcio e mediação familiar:

A Terapia do Divórcio está indicada para situações de divórcio onde se verifica a necessidade e o desejo de resolução dos conflitos familiares, promovendo uma separação funcional.
A Mediação Familiar é uma forma alternativa de resolver conflitos no âmbito das relações familiares (e.g. atribuição das responsabilidades parentais, regime de visitas, pensão de alimentos, divisão de bens, etc.). Processa-se através de um método estruturado de comunicação baseado nas teorias sistémicas em que um profissional qualificado imparcial e neutro auxilia as partes em conflito a encontrar a solução que melhor se enquadre na satisfação das necessidades de todos os interessados.

Indicações da mediação familiar:

Ajudar na gestão da separação ou o divórcio;

O pedido de mediação surge ou é aceite por ambas as partes;

As duas partes participam no processo de seleção do serviço de mediação que as atende;

Ausência de patologia grave;

Inexistência de maus tratos;

Não há situação de multiassistência;

Inexistência de conflitualidade intensa da ídade.

Peritagens para o tribunal relativas a incumprimento das responsabilidades parentais:

O GIS recebe pedidos remetidos pelos tribunais, para avaliação e peritagem de famílias em situação de litígio e /ou perigo face aos filhos menores. Estas situações referem-se a processos de incumprimento das responsabilidades parentais, condutas parentais suscetíveis de colocar em risco os filhos menores e situações e elevada conflitualidade em situação de divórcio que podem provocar dano e colocar em risco os filhos menores. O GIS desenvolve intervenções terapêuticas com os elementos envolvidos no sentido de promover melhorias e mudanças na situação que levou à intervenção do tribunal.

Intervenção terapêutica com clientes mandatados (EMAT e CPCJ):

No âmbito das situações consideradas de risco e perigo o GIS tem recebido casos encaminhados por várias entidades – Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) e Equipas de Menores de Apoio aos Tribunais (EMAT) para que sejam desenvolvidas intervenções no sentido da resolução dos fatores de risco ou perigo em que as famílias se encontram. Estes processos são desenvolvidos numa lógica semelhante aos casos enviados pelo tribunal.

Formação – Supervisão Clínica

A supervisão clínica é uma prática regular e indispensável no desenvolvimento das terapias sistémicas. Nestas supervisões são debatidos os pedidos de atendimento e os casos clínicos em seguimento e é feita uma avaliação do desenvolvimento do processo, da aplicação de técnicas e estratégias de intervenção, da concretização dos objetivos e do contrato terapêutico e são sugeridas intervenções para a situação em causa. Nas situações dos terapeutas em formação é ainda feita a preparação das sessões seguintes a realizar pelo terapeuta (objetivos e técnicas a desenvolver).

Investigação

O GIS tem vindo a desenvolver investigação no âmbito da avaliação do processo terapêutico com as famílias em seguimento. Esta investigação tem como objetivo fundamental avaliar a evolução da terapia em dimensões específicas do funcionamento da família/casal. A avaliação implica também a análise das sessões do processo terapêutico relativamente às dimensões de mudança narrativa através do SAMN (Sequeira & Alarcão, 2012). Pretende-se com esta investigação estudar os fatores de mudança no processo terapêutico, bem como identificar os aspetos que bloqueiam a referida transformação e podem ajudar a explicar os insucessos terapêuticos.

Honorários

Serviços disponibilizadosComunidade em geral
Terapia Individual Sistémica45€
Terapia Familiar45€
Terapia Multifamiliar45€
Terapia de Casal45€
Desenvolvimento de Competências Parentais45€
Terapia do Divórcio e Mediação Familiar45€
Avaliação e Peritagens para o TribunalSessão: 45 €
Elaboração de relatório/peritagem: 250€
Intervenção em Rede e Comunitária45€

Contactos

Rua Bernardo Albuquerque, nº6, 1º esquerdo, 3000-070 Coimbra
Tel: (+351) 239 488 030
E-mail: gis@ismt.pt
Página de Facebook: GIS

Pedido de Informações
808 20 80 30
Candidatura online